Alimentação InfantilA maneira com que as crianças se alimentam, precisa ser correta desde os primeiros meses, para que o crescimento seja saudável, e também para diminuir qualquer risco de obesidade. Mas não só o que a criança come, mas também como ela come, e de qual jeito lhe é oferecida, é importante para seu desenvolvimento.

Veja algumas dicas e orientações:

  1. A partir da fase em que as crianças além do leite materno, começam a descobrir outros tipos de alimento, é preciso ser persistente, caso a criança não goste e recuse no primeiro contato, é importante insistir para que ela vá se acostumando com o sabor. A rejeição muitas vezes ocorre pelo alimento ter um gosto muito diferente do que ela está acostumada.
  2. Ao preparar papinhas com legumes, amasse-os ao invés de colocar no liquidificador, e cozinhe bem para que fiquem bem macios e mais saborosos.
  3. Apresente apenas um alimento novo em cada refeição, junto com outros que a criança já está acostumada a comer, assim ela vai experimentar muito mais facilmente. Se for preciso, converse, fale do novo alimento, de onde ele veio, qual a importância, e desperte a curiosidade.
  4. Outra maneira de apresentar alimentos novos, é ir adicionando-os em receitas que a criança goste. Por exemplo, faça uma torta, e adicione legumes e verduras bem picadinhas sem que ela perceba.
  5. Mude a maneira de servir, para que a criança possa ter outra impressão, um dia sirva cru, outro cortado em rodelas, picado, refogado, em forma de bolinhos, entre outras opções.
  6. Caso a criança recuse de todos os jeitos algum alimento, tente supri-lo em outro. Por exemplo, se ela não come cenoura de jeito nenhum, tente introduzir na alimentação infantil a abóbora, o mamão, ou outros tipos de vegetais alaranjados, que possuem grandes fontes de vitamina A.
  7. Não sirva o mesmo cardápio no almoço e no jantar, caso não tenha alternativas, reinvente as combinações para parecer diferente.
  8. Não obrigue a criança a comer mais se ela realmente não quiser, se ver que ela só vai enrolar e não vai comer, não dê mais, pois quando sentir fome avisará. Porém, se ela não quiser almoçar, mas quiser comer doce, ou algum outro tipo de besteira, é necessário proibir para que não crie hábitos errados.
  9. É importante criar horários para que a criança não fique beliscando toda hora, e coma mal nas principais refeições. Tenha um horário de café da manhã, um lancinho entre o café e o almoço, o almoço, o lanche da tarde, e a janta, que não pode ser tão perto da hora de dormir. Caso entre esses intervalos a criança se queixe de fome, dê frutas e alimentos leves.
  10. Não compense uma refeição na outra, se a criança comeu pouco no almoço, não é correto deixar ela se entupir a tarde inteira de besteira. Ela precisa saber a importância de cada refeição.
  11. Tente levar a criança para a cozinha de vez em quando, para que ela te “ajude” a preparar algo, e depois tenha curiosidade e vontade de experimentar o que fez.
  12. Não deixe a criança criar o hábito de dizer que não gosta de uma coisa, se nunca provou. Dê pequenos pedaços para que ela prove, se realmente não gostar, não insista. Dê um tempo, e depois tente apresentar esse alimento com outras formas de preparo.
  13. Faça refeições em família, em ambientes calmos, e coma a mesma coisa que a criança, para incentivá-la.
  14. Não faça parecer que a sobremesa é melhor que a comida, fazendo como recompensa, por exemplo, “se comer o arroz e o feijão, ganha sobremesa”.
  15. Não faça parecer que a comida fora de casa é melhor, não crie o hábito de comer em restaurantes sempre, pois para a criança a comida de casa ficará cada vez mais sem graça.

Tratamento da Obesidade Infantil

Reeducação Alimentar InfantilO tratamento da obesidade infantil, conta com um grande envolvimento familiar, planejamento de atividades, mudança de comportamentos e de hábitos.

A dieta não é a melhor forma, nem a mais segura para crianças emagrecerem, pois pode colocar a saúde em risco, e se torna algo completamente desagradável. Para começar um tratamento, é preciso fazer uma reeducação alimentar, mudar os hábitos, e o estilo de vida.

O efeito é a longo prazo, mas é necessário para que a perda de peso seja saudável, e não afete no crescimento da criança. É preciso ser persistente, e aí entra o papel importantíssimo dos pais, que precisam incentivar, acompanhar, conversar, e não desistir, pois sozinha a criança nunca mudará seus hábitos.

Dicas Contra a Obesidade Infantil

Veja algumas dicas de alimentação infantil para começar essa mudança:

É importante regular a porção, a criança precisa ir se acostumando a comer menos, então coloque porções menores no prato, e vá tirando o hábito de repetir.

Não coloque as travessas, panelas e pratos na mesa, para que a criança sinta menos vontade de comer mais. E ao servir lanches, evite colocar manteiga, maionese, requeijão na mesa, para deixar os alimentos mais calóricos, menos acessíveis.

Encha a geladeira de frutas, verduras e legumes, leite, iogurte desnatado e gelatinas, para que a criança comece a conviver com esses tipos de alimento, pois se ela abre a geladeira e vê só alimentos "não-saudáveis", vai ser muito mais difícil de controlar.

Estabeleça horários certos para comer, e não deixe com que a criança fique muito tempo sem se alimentar, para não exagerar nas principais refeições, e nem beliscando besteiras o dia inteiro.

Tenha em casa uma tabela de alimentos, e vá reduzindo e substituindo aos poucos os mais calóricos, para que a mudança não seja toda de uma vez.

Vá trocando a carne vermelha por carnes magras, como peixe e frango.

Ensine a criança a comer devagar, e principalmente, longe da televisão.

Comece a reduzir todos os tipos de doces.

Diminua gradualmente a ingestão de líquidos durante as refeições.

Troque os sanduíches gordurosos, pelo saudáveis, com saladas, e queijos mais leves.

Tente utilizar o mínimo de óleo possível na preparação de alimentos, e dê prioridade aos pratos assados ou grelhados.

Não dê de forma alguma fritura à crianças acima do peso.

Troque os biscoitos recheados pelos sem recheios, e o leite integral, pelo desnatado.

Vá introduzindo aos poucos pão integral, e quando possível, substitua de vez.

Evite o consumo de comida congelada e pré-pronta.

Incentive o consumo de frutas e verduras.

Cuidado com os temperos, pois podem ser altamente calóricos.

Não ofereça sobremesas lácteas, ou muito doces logo após o almoço.

Evite alimentos industrializados, que tenham muitos conservantes e enlatados. Prefira comidas caseiras e frescas.

Dica: O açaí berry é altamente benéfico, e pode ajudar no tratamento da obesidade infantil, pois é um antioxidante que ajuda no sistema digestivo, limpando as toxinas e microrganismos perigosos para o organismo. E ajuda também a maximizar a ingestão dos alimentos, e transformá-los inteiramente em energia. Mas cuidado, pois o excesso de açaí berry pode trazer outras consequências.

Para que a criança se sinta motivada, é importante elogiar os progressos, comemorar os bons resultados, conversar, explicar qual a importância de mudar os hábitos, e fazer com que ela entenda mais sobre sua própria saúde. E para que a criança não se sinta diferente no ambiente familiar, é necessário que a família também a acompanhe nesse novo ritmo de alimentação, servindo como um incentivo.

Atividades Físicas para Crianças

As atividades físicas proporcionam uma diminuição da gordura corporal, mas não é fácil colocar uma criança sedentária para fazer exercícios. Portanto é preciso que ela veja a atividade física, como algo legal e prazeroso. O começo é difícil, pois ela não possui nenhuma resistência e se cansa facilmente, por isso é importante começar aos pouquinhos. Uma boa dica, é começar pelos jogos e brincadeiras que necessitam de expressão corporal, de tarefas onde tenham que correr, pular e dançar.

Aos poucos vá incentivando-a andar de bicicleta, pular corda, brincar de pique, faça gincanas em casa, e com o tempo, os pais podem ir introduzindo a caminhada. Leve a criança à um lugar perto, e caminhe devagar, para que não pareça “obrigação”, leve-a à um parque, à um lugar perto de casa que ela queira conhecer, ou peça para que ela vá com você ao mercado, locadora, padaria, entre outros lugares. Depois, vá aumentando a velocidade, e o tamanho do percurso. Aos poucos ela vai se acostumando, melhorando a respiração, a disposição, e se cansando menos.

Dê variedades de exercícios e atividades, para que não se torne algo cansativo e repetitivo, coloque-a para nadar de vez em quando, correr, jogar bola etc. Isso é necessário também para que a auto-estima da criança aumente, para que crie relação com outras crianças, para provar para si mesmo que consegue, e também para ir largando aos poucos o vídeo-game, o computador e a televisão.

Cirurgia em Crianças

Outra opção de tratamento é a cirurgia bariátrica, onde parte do estômago é fechado, são colocados anéis que encolhem a passagem. Nada muda no sistema digestivo, mas a quantidade de alimentos ingeridos é reduzida. Porém, é uma alternativa delicada e perigosa, não muito indicada para crianças, só em casos mais graves.

O acompanhamento médico é indispensável nos casos de obesidade, é necessário ter orientações certas, e manter os exames da criança sempre em dia.